Datas mais importantes

  • Lançamento do processo de venda
  • 30 de setembro de 2019

  • Data de início do período de subscrição
  • 30 de setembro de 2019 (08h30)

  • Fim do período de subscrição
  • 16 de dezembro de 2019 (15h00)

  • Apuramento e divulgação dos resultados da Alienação
  • 17 de dezembro de 2019 (11h00)

  • Liquidação física e financeira
  • 17 de dezembro de 2019 (15h00)

Se é emigrante aproveite a excelente oportunidade de investir em Cabo Verde

Vídeo Institucional

Dr. Gilberto de Barros - Secretário de Estado das Finanças

Após a conclusão da venda direta de 51% dos TACV a 1 de março de 2019, o Governo de Cabo Verde irá iniciar o processo de venda de 7,465% das ações da companhia que detém, desta vez aos emigrantes cabo-verdianos, conforme estabelecido no Decreto-Lei n.º 45/2017, de 21 de setembro que define o modelo de regulação jurídica do processo de privatização dos TACV e onde estão definidas as condições para a referida venda.

Anúncio do Lançamento do Processo de Venda de Ações a Emigrantes

Operação de venda direta de 74.650 (setenta e quatro mil seiscentos e cinquenta) ações ordinárias, escriturais e nominativas, representativas de 7.465% do Capital Social da Transportes Aéreos de Cabo Verde, SA (TACV), e detidas pelo Estado de Cabo Verde reservadas para aquisição pelos emigrantes.

Ações Significa as 74.650 (setenta e quatro mil seiscentos e cinquenta) Ações escriturais, nominativas, com o valor nominal de 1.000$00 CVE (mil escudos) cada uma, representativas de 7,465% do capital social dos Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A. e detidas pelo Estado de Cabo Verde.
"CVE" Designa o Escudo cabo-verdiano, a divisa oficial de Cabo Verde.
"BVC" Designa a Bolsa de Valores de Cabo Verde, S.A.
"Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A." ou "Entidade Emitente" Significa a Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A, com Sede social em Sede: Av. Amilcar Cabral, Caixa Postal nº1, Cidade da Praia - Cabo Verde, Registada na Conservatória do Registo Comercial da Praia sob o nº 10/1989/01/25, Contribuinte nº 200121103, cujo as ações são objetos de venda direta pelo Estado de Cabo Verde.
"Estado" ou "Entidade Alienante" Significa a Entidade alienante, que ao abrigo do Decreto-Lei n.º 45/2017, de 21 de setembro, que determina a reserva de Ações para a aquisição aos emigrantes, e ao abrigo do da Resolução nº 56/2019, cujo objeto autoriza o Ministro das Finanças a proceder à alineação de 100.000 (cem mil) ações detidas pelo Estado e representativas de 10% do capital social dos TACV, S.A. nas condições definidas pelo Decreto-Lei nº 45/2017, de 21 de setembro.
"ISIN" Significa o Número Internacional de Identificação de Títulos ("International Securities Identification Number"). Estabelece uma codificação uniforme e internacionalmente aceite para os valores mobiliários de acordo com o ISSO 6166.
"Direitos de Subscrição" Significa as 74.650 (setenta e quatro mil, seiscentos e cinquenta) Ações escriturais, nominativas, com o valor nominal de 1.000 CVE cada uma, representativas de 7,465% do capital social da Transportes Aéreos de Cabo Verde detidas pelo Estado de Cabo Verde.
"Plataforma POS" Designa o Serviço de Centralização de Ordens em Ofertas Públicas ou Privadas de Distribuição, gerido pela BVC e disponível em todos os intermediários financeiros habilitados a prestarem o Serviço de intermediação financeira em valores mobiliários.
"Cód. MVM" Designa o Código de Mercado dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Legislativo nº1/2012 de 27 de Janeiro de 2012, republicado a 03 de Abril do mesmo ano.
"Anúncio" Significa o Anúncio de Venda direta, mediante um contrato individual, através dos canais da Bolsa de Valores de Cabo Verde.
"Emigrantes" Para efeitos da presente oferta, são pessoas singulares de nacionalidade ou origem cabo-verdiana habitualmente residentes em território estrangeiro, por um período igual ou superior a um ano, anterior a data da publicação da Resolução nº 56/2019, de 9 de maio de 2019, salvo se a permanência prolongada fora de Cabo Verde resultar da titularidade de cargo público na Administração Pública cabo-verdiana. A prova de estatuto de emigrante faz-se mediante a apresentação, no acto de subscrição de ações de:

a) Documento comprovativo da nacionalidade ou origem cabo-verdiana;
b) Certificado emitido por representações diplomáticas ou consulares de Cabo Verde ou documento emitido pela autoridade competente do local de residência do requente nesse país por período igual ou superior a um ano.

Documento comprovativo da titularidade de cargo público na Administração Pública Cabo-verdiana quando aplicável.
Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A., com Sede social em Sede: Av. Amilcar Cabral, Caixa Postal nº1, Cidade da Praia - Cabo Verde, Registada na Conservatória do Registo Comercial da Praia sob o nº 10/1989/01/25 e Contribuinte nº 200121103.

1.1 Resumo histórico e evolução da Sociedade

Os Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A. (TACV) são a companhia de bandeira da República de Cabo Verde. Conhecida no mercado como TACV - Cabo Verde Airlines, é uma sociedade anónima de capitais públicos estabelecida e reconhecida pela lei cabo-verdiana, cuja missão é assegurar o transporte aéreo de passageiros, carga e correio, tanto no mercado doméstico como no mercado internacional.

A história da aviação comercial em Cabo Verde remonta a 1955 quando um grupo de cabo-verdianos resolveu criar o Aero Clube de Cabo Verde. Com um quadro constituído apenas por um diretor, um piloto e um aspirante, o Aero Clube tinha como preocupação fundamental a formação de novos quadros e testar vários aparelhos na tentativa de encontrar o aparelho que melhor se adaptasse às condições do arquipélago.

A necessidade crescente de garantir o transporte de passageiros e carga inter-ilhas fez com que fossem adquiridos mais aparelhos. Primeiro o Tiger Moth; depois um Dove, um bi-motor de nove lugares; e, finalmente, dois Grumman Widgeon vieram completar a frota do Aero Clube.

Em 1958, o Aero Clube é transformado nos Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), que tinha como missão garantir o transporte aéreo de passageiros, carga e correio pelo arquipélago. Com os anos, os TACV alargaram o seu serviço aéreo e passaram a transportar não só cabo-verdianos entre as ilhas como também muitos cabo-verdianos emigrantes que vivem em vários países de diversos continentes.

Hoje, a atividade turística (viagens e turismo) constitui uma das maiores indústrias do país e, seguramente, aquela que tem registado maior crescimento e a TACV - Cabo Verde Airlines, enquanto companhia nacional, tem sido um dos maiores contribuintes para o desenvolvimento da indústria de viagens e turismo em Cabo Verde.

Com uma rede de voos internacionais que contempla ligações para a Europa, África, América do Norte e do Sul, a TACV está bem posicionada para continuar a desempenhar o seu papel preponderante no desenvolvimento do turismo em Cabo Verde.

Datas históricas:

1955 - Criação de Aero Clube de Cabo Verde
1955 - Primeiro voo entre Praia/Sal/São Vicente/Praia, com um bi-plano de motores, o "De Havilland Rapid Dragon"
1956 - Chega o primeiro "Dove", um bi-motor de nove lugares
1958 - Dois "Grumman Widgeons" são adquiridos para completar a frota
1958 - A 27 de Dezembro de 1958, o Aero Clube de Cabo Verde dá lugar aos Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV)
1959 - Tráfego aéreo atinge os 460 passageiros transportados
1962 - Tráfego aéreo ascende a 2.261 passageiros
1964 - Todas as Ilhas, excepto Brava e Santo Antão, são servidas por ligação aérea
1968 - Três "Doves" asseguram a ligação aérea entre as ilhas
1973 - Dois aviões "Hawker Siddleys" HS-748 e três "Islanders" substituem os Doves
1978 - Início de voos regionais para Dakar, Senegal
1980 - Dois aviões "Twin-Otters" são adquiridos para substituir os "Islanders"
1985 - Início de voos internacionais. A TACV inaugura a linha Sal-Lisboa-Sal.
1987 - Início do voo transatlântico Sal-Boston-Sal
1988 - Abertura das linhas Sal-Amsterdão-Sal e Sal-Paris-Sal
1990 - Dois aviões Casa-212 e um Embraer 120 integram a frota nacional
1994 - Três aviões ATR 42 - 300 são adquiridos em Toulouse, França
1996 - A TACV adquire - em regime de leasing operacional, o seu primeiro Boeing 757 - 200, em estado de novo, considerado "o maior orgulho da Cabo Verde Airlines", que viria a ser baptizado de B.Leza.
1996 - Com o B.Leza dá-se início aos voos com avião e tripulação próprios da TACV para Europa.
1999 - Início dos voos Sal/Las Palmas/Madrid/Sal
2001 - Início de voos entre Fortaleza (Brasil) e Cabo Verde
2002 - Um Boeing 737-300, em estado usado, é adquirido em regime de leasing operacional e batizado de Catchás, vindo reforçar o serviço da companhia
2002 - Início de voos regulares entre Sal, Dakar, Abidjan, Freetown e Guiné-Conakry
2004 - Devolução do B737-300 Catchás e aquisição - em regime de leasing operacional, do segundo Boeing 757 - 200ER, em estado usado, batizado de Emigranti.
2005 - Obtenção da Certificação ETOPS, considerada uma das maiores realizações em quase meio século de existência da transportadora aérea nacional
2005 - Início de voos entre os EUA e Cabo Verde, com avião e tripulação próprios.
2006 - Início dos voos entre Fortaleza e Cabo Verde, com avião e tripulação próprios.
2007 - São adquiridos por compra e em estado novo, os aparelhos ATR que atualmente compõem a frota doméstica da TACV, diretamente ao fabricante francês: dois ATR72-500 e um ATR42-500, que substituem os ATR 42-300.
2011 - O tráfego aéreo transportado pela TACV um crescimento de 5% relativamente ao ano 2010 e um nº record na sua história.
2012 - Devolução do Boeing 757-200 B.Leza ao Lessor (dono). O Boeing 757-200 B.Leza completa o seu último plano de voos ao serviço da TACV, fazendo a rota Fortaleza Praia Lisboa Las Palmas Praia, completando assim dezasseis (16) anos de serviços prestados à TACV.
2015 - Início dos voos entre Recife/Pernambuco e ilha da Praia, com ligação à Europa e retoma voos Praia/Bissau.
2018 (1 Fev) - Início operação na ilha do Sal sob um novo modelo de negócio para a TACV em formato Hub & Spoke, ponto de conexão para vários destinos. Este novo modelo promete ligação entre os 4 continentes - América do Norte, América do Sul, África e Europa, alargando assim o mercado de atuação da companhia aérea. A operação iniciou-se com um voo oriundo do Recife com destino final a Lisboa, e com escala na ilha do Sal.
2018 (5 maio) - anúncio renovação da marca, dando uma nova imagem à companhia, nascendo assim a Cabo Verde Airlines. Com a nova marca, a companhia propõe renovação da confiança e uma experiência única para conhecer Cabo Verde.
2018 (18 junho) - início dos voos entre Salvador da Bahia e ilha do Sal.

2019:

01 de Março - privatização da TACV em 51% do seu capital a favor do grupo islandês Lofleidir.
10 de Maio - chegada "Praia de Santa Maria", primeiro avião com a marca Cabo Verde Airlines
31 de Maio - chegada "Baía do Tarrafal", segundo avião com a marca cabo Verde Airlines

1.2 Resumo da análise económica e financeira previsional da Sociedade


1.3 Perspetivas da Sociedade




Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 45/2017, de 21 de setembro, que determina a reserva de Ações para a aquisição dos emigrantes e, bem como ao abrigo do da Resolução nº 56/2019, cujo objeto autoriza o Ministro das Finanças a proceder à alineação de 100.000 (cem mil) ações detidas pelo Estado e representativas de 10% do capital social dos TACV, S.A. nas condições definidas pelo Decreto-Lei nº 45/2017, de 21 de setembro. São oferecidas à aquisição por emigrantes cabo-verdianos 74.650 ações ordinárias, escriturais de valor nominal de 1.000 escudos cada, representativas de 7,465% do Capital Social dos Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A. e detidas pelo Estado de Cabo Verde e, mediante a operação de venda direta, pelo processo de subscrição particular, utilizando os canais da Bolsa de Valores de Cabo Verde.
Trata-se de uma operação de Venda direta, mediante um contrato individual, através dos canais da Bolsa de Valores de Cabo Verde, restrita a pessoas que estejam na condição de emigrantes e de acordo com anuência da AGMVM, numa quantidade global de 74.650 (setenta e quatro mil seiscentos e cinquenta) Ações, correspondentes a 7,465% detidas pelo Estado.
É destinada aos emigrantes de Cabo Verde (são os cidadãos cabo-verdianos com residência legal permanente em Estado estrangeiro conforme é determinado nos termos do artigo 22º do Decreto-Lei n.º 45/2017 que estabelece o regime jurídico da privatização do capital social dos TACV, S.A. e aprova o caderno de encargos que regula os termos e as condições da venda direta), numa venda direta destinada em 7,465% do Capital da Social da Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A. (TACV), isto é uma quantidade de 74.650 (setenta e quatro mil seiscentos e cinquenta) ações para os emigrantes.
O Preço de Subscrição é de 1.457$00 (mil e quatrocentos e cinquenta e sete escudos) CVE por Ação.

As ordens de subscrição devem ser apresentadas para um mínimo de 1 ação. O máximo de ações que pode ser subscrito por cada Emigrantes está limitado à quantidade de ações que estão a ser oferecidas à subscrição correspondente a 74.650 ações.

O exercício do direito de aquisição deve ser realizado através do preenchimento do Boletim de Subscrição acompanhado dos documentos necessários junto de um dos bancos comerciais que compõem o consorcio de colocação mediante transferência bancária ou cheque bancário, na conta bancaria à ordem da Direção-Geral do Tesouro, da totalidade ou de pelo menos 10% do preço das ações a serem adquiridas, sendo o valor apenas cativo na conta bancária do subscritor indicada no Boletim de Subscrição até a liquidação física e financeira.

O pagamento / liquidação do valor de subscrição das ações ocorrerá após o apuramento e divulgação dos resultados da alienação na data da liquidação física e financeira da operação, sendo: i) na totalidade do valor cativo em caso de satisfação de cem porcento da quantidade subscrição; ii) na proporção relativa equivalente em caso de satisfação inferior a quantidade subscrita.

Os adquirentes que não depositem a totalidade do preço das ações que pretendam comprar, ficam obrigados ao pagamento do respetivo remanescente no prazo de 60 (sessenta) dias a contar da data do apuramento dos resultados através da conta supra, sob pena de caducidade do seu direito de aquisição.

Ao Abrigo do Decreto-Lei n.º 45/2017, de 21 de setembro, art. 11.º, todos os atos relativos à alienação e subscrição de ações que decorram ao abrigo do disposto no referido diploma estão isentos de taxas e emolumentos para os emigrantes subscritores, sendo as taxas e comissões resultantes do processo de venda aos emigrantes são suportados pelo vendedor conforme as condições definidas no contrato de colocação a ser assinado entre o Alienante e os Bancos operadores de Bolsa.
Os emigrantes poderão exercer os direitos de subscrição durante o período de Subscrição, que decorrerá entre as 8h30 do dia 01 de outubro de 2019 e as 15h00 do dia 16 de dezembro de 2019. A transmissão das ordens de compra poderá efetuar-se junto dos intermediários financeiros habilitados a prestar o serviço de registo e controlo de valores mobiliários escriturais, designadamente em qualquer agência do BCA - Banco Comercial do Atlântico, S.A., do BCN - Banco Cabo-verdiano de Negócios, S.A., do BI- Banco Interatlântico, S.A., do BAI - Banco Angolano de Investimento Cabo Verde, S.A. e da CECV - Caixa Económica de Cabo Verde, S.A.

As ordens de subscrição podem ser revogadas até o segundo dia útil antes do termino do período de subscrição, inclusive, por comunicação escrita ao intermediário financeiro que o recebeu.

Os direitos de subscrição não exercidos caducarão no termo do período da Venda.
As ações reservadas aos emigrantes não subscritas pelos mesmos são objeto de venda direta, por negociação particular, a um ou mais investidores nacionais ou estrangeiros (art. 6.º, n.º 3).
Para efeitos de funcionamento do rateio, aplicável caso a procura exceda a oferta, serão considerados os seguintes critérios:

a) Atribuição de Ações proporcionalmente à quantidade da ordem não satisfeita;
b) Satisfação das ordens que mais próximo ficarem da atribuição de um lote e, em caso de igualdade de condições, sorteio.

A atribuição de Ações de acordo com o primeiro processo previsto na alínea a) supra será realizada por lotes de 1 (uma) ação, com arredondamento por defeito, proporcionalmente ao número de ações objeto de cada ordem que se encontre por satisfazer.

Por sua vez, o critério previsto na alínea b) supra aplica-se à atribuição das ações que remanesçam após aplicação do primeiro processo de atribuição previsto na alínea a) supra, sendo tais ações remanescentes atribuídas em lotes de 1 (uma) ação, sequencialmente às ordens que, em função daquele processo, mais próximas fiquem da atribuição de um lote, procedendo-se, em caso de igualdade de condições, à atribuição do último ou dos últimos lotes por sorteio.

Na medida em que o critério indicado na alínea a) supra não possa ser aplicado, a atribuição de ações com relação às ordens não satisfeitas será efetuada através do sorteio de lotes de 1 (uma) ação.

Não haverá garantia de colocação nem tomada firme das ações, comprometendo-se os intermediários financeiros encarregues da prestação de serviços de colocação das ações no âmbito da Oferta, apenas, a desenvolver os melhores esforços com vista à respetiva colocação.

A transmissibilidade ocorrerá aquando da liquidação dos títulos.

9.1 Calendário de Subscrição

Data e hora Evento
30 de setembro de 2019 Lançamento do processo de venda direta de 7,465% da ações que o Estado de Cabo Verde detém nos Transportes Aéreos de Cabo Verde aos Emigrantes de Cabo Verde
30 de setembro de 2019 às 8h30 Data de início do período confirmação de subscrição
16 de dezembro de 2019 às 15h00 Fim do período confirmação de subscrição, reservado aos Emigrantes da companhia
17 de dezembro de 2019 às 11h00 Apuramento e divulgação dos resultados da Alienação
17 de dezembro de 2019 às 15h00 Liquidação física e financeira da Operação

9.2 Locais de transmissão de ordens de compra

As ordens de compra serão transmitidas em impresso próprio (boletim de subscrição de ordem de compra), devendo ser apresentadas nos balcões dos Bancos Operadores de Bolsa, habilitados a prestar o serviço de registo e controlo de valores mobiliários escriturais, designadamente em qualquer agência do Banco Comercial do Atlântico, S.A., do Banco Cabo-verdiano de Negócios, S.A., do Banco Interatlântico, S.A., do Banco Angolano de Investimento Cabo Verde, S.A. e da Caixa Económica de Cabo Verde, S.A.

O Boletim de Subscrição, preenchidos e assinados, bem como os documentos que devem o acompanhar (conforme ponto 9.4) podem ser entregues nos Bancos Operadores da Bolsa (CAIXA, BAI, BCN, BCA e BI) ou na Bolsa de Valores de Cabo Verde, presencialmente, ou enviado por e-mail.

Caso o Emigrante optar por enviar para a Bolsa de Valores de Cabo Verde deverá enviar para o Sr. Edmilson Mendonça, o ponto de contacto da Bolsa de Valores para este processo: edmilson.mendonca@bvc.cv, com bem como com o conhecimento (Cc) do ponto da Unidade de Acompanhamento do Sector Empresarial do Estado / Ministério das Finanças de Cabo Verde, Sr. Sandeney Fernandes: sandeney.fernandes@mf.gov.cv . A Bolsa de Valores trabalha em estreita ligação com os Bancos Operadores.

Contudo, convém ter em atenção que por esta via o emigrante não terá no imediato o comprovativo, mas após a confirmação da receção pelo seu banco, ser-lhe-á enviada uma cópia assinada e carimbada pela Entidade Recebedora.

9.3 Boletins de Inscrição

Não serão aceites as ordens de compra cujos impressos não contenham os seguintes elementos:

a) Nome ou denominação e domicílio do ordenante;
b) Número do Bilhete de Identidade tratando-se de cidadãos Cabo-Verdianos ou estrangeiros residentes, os quais deverão fazer uso de um único número identificativo relativamente à globalidade das ordens de compra dadas;
c) Número do Bilhete de Identidade, do Passaporte ou de qualquer outro documento identificativo legalmente suficiente, tratando-se de cidadãos estrangeiros ou emigrantes, os quais deverão fazer uso de um único número identificativo relativamente à globalidade das ordens de compra dadas;
d) Número de identificação fiscal,
e) Números relativos a qualquer documento identificativo legalmente suficiente, tratando-se de pessoas colectivas estrangeiras, as quais deverão fazer uso do mesmo número identificativo relativamente à globalidade das ordens de compra dadas;
f) O número de Ações pretendido;
g) Designação da Ação Pretendida

É da responsabilidade dos intermediários financeiros, o controlo da veracidade e autenticidade dos elementos referidos nas alíneas anteriores, bem como, assegurar, que não haja duplicações de ordens, resultantes do uso de mais de um número de identificação, relativamente à globalidade das ordens de compra, dadas.

Durante o prazo de subscrição, os intermediários financeiros transmitirão diariamente as ordens recolhidas, bem como, os cancelamentos e/ou alterações às mesmas, à BVC, via Plataforma POS - serviço de centralização de ordens, no período entre as 8:00 horas e as 17:00 horas. A confirmação das ordens de compra transmitidas é disponibilizada pela BVC, através do mesmo sistema, no dia de apuramento de resultados.

9.4 Documentos que devem acompanhar o Boletim de Subscrição

O Boletim de subscrição deve ser acompanhado da prova de estatuto de emigrante, que se faz mediante a apresentação, no acto de subcrição de ações de:


a) Documento comprovativo da nacionalidade ou origem cabo-verdiana;
b) Certificado emitido por representações diplomáticas ou consulares de Cabo Verde ou documento emitido pela autoridade competente do local de residência do requente nesse país por período igual ou superior a um ano.
c) Documento comprovativo da titularidade de cargo público na Administração Pública Cabo-verdiana quando aplicável.
O presente Anúncio de Alienação será publicado na web site da BVC (www.bvc.cv), dos Bancos Operadores de Bolsa, encontrando-se à disposição para consulta, pelos interessados, na sede da Cabo Verde Airlines e nos Balcões de todos os bancos do consórcio.

Os estatutos da Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A., bem como, os seus relatórios e contas, poderão ser solicitados na respetiva sede.
Os resultados deste processo de alienação, relativos ao exercício dos direitos de subscrição e ao rateio das Ações remanescentes serão apurados pelo Ministério das Finanças. Uma vez apurados os resultados, estes serão imediatamente divulgados.

A data prevista para o apuramento e divulgação dos resultados é o dia 17 de dezembro de 2019.

Praia, 20 de setembro de 2019.

Cabo Verde no centro das operações aéreas do Atlântico

Os Transportes Aéreos de Cabo Verde, S.A. (TACV) são a companhia de bandeira da República de Cabo Verde. Conhecida no mercado como TACV - Cabo Verde Airlines, é uma sociedade anónima de capitais públicos estabelecida e reconhecida pela lei cabo-verdiana, cuja missão é assegurar o transporte aéreo de passageiros, carga e correio, tanto no mercado doméstico como no mercado internacional.

Recife

Lisboa

Milão

Roma

Paris

Sal

Praia

Dakar

Fortaleza

Washington

Luanda

A subscrição online de ações não dispensa o preeencimento, assinatura e envio do Boletim de Inscrição.

FORMULÁRIO DE SUBSCRIÇÃO

Tipo de documento *


Selecione o banco através do qual pretende dar a sua ordem de compra:



Se não possui conta em nenhum dos Bancos e tem interesse em participar deste processo indique um Banco onde gostaria de abrir uma conta e será contactado pelos comerciais do Banco escolhido:



Se já preencheu o e assinou o seu Boletim de Subscrição poderá enviá-lo também por esta via para o seu banco. O Boletim tem de estar assinado pelo ordenante e deve ser acompanhado de uma cópia do documento de identificação válido (passaporte ou BI cabo-verdianos). Faça aqui o upload do Boletim mais o documento de identificação.





O Boletim terá de ser validado pelo seu Banco em Cabo Verde. O seu Banco irá contactá-lo, pelos contactos que indicou acima, para lhe informar que o seu processo ficou concluído ou se está em falta alguma outra informação adicional.

Clique no botão "Submeter" para enviar esta sua manifestação de interesse para o seu Banco.

Muito Obrigado por participar deste importante processo e por investir no nosso país.


Operadores Habilitados

CONSÓRCIO DE COLOCAÇÃO

As ordens de compra serão transmitidas em impresso próprio (boletim de subscrição de ordem de compra), devendo ser apresentadas nos balcões dos Bancos Operadores de Bolsa, habilitados a prestar o serviço de registo e controlo de valores mobiliários escriturais, designadamente em qualquer agência do Banco Comercial do Atlântico, S.A., do Banco Cabo-verdiano de Negócios, S.A., do Banco Interatlântico, S.A., do Banco Angolano de Investimento Cabo Verde, S.A. e da Caixa Económica de Cabo Verde, S.A.

  • Clients
  • Clients
  • Clients
  • Clients
  • Clients
Download de Documentos

DOCUMENTOS

Boletim de subscrição Ficha Técnica Anúncio Folheto